Imensuráveis palavras não ditas

abril 17, 2017


Tenho imensuráveis coisas a dizer.
Imensuráveis palavras.
Todas elas para você.
Sobre você.
Mas não sai.
Estão presas.
Enjauladas.
Garganta.
Coração.
Alma.
Acorrentadas como bichos selvagens 
que ao serem soltos podem fazer estragos.

Quero falar.
Quero dizer.
Pra você.
Pro mundo.
Mas não sai som algum.
Você não escuta, não quer escutar.
Então, te escrevo.
Essa é minha forma de falar.
Meus sentimentos.
Meu único jeito de demonstrar.

Tem pedaços seus em cada verso meu.
Tem pedações seus,
em cada frasco de pensamento meu.
Errei em não dizer.
Errei em não falar.
Errei ainda mais em não tentar.
Agora fico aqui.
Acumulada de palavras por dizer.
Imensuráveis.
Incontáveis.
Transbordando
e me afogando.
Por dentro.
Em mim, mas por você.

Queria te dizer.
Queira um chance.
Mas não sai.
Não posso.
Então te guardo no peito 
e nos meus versos.
Com minhas imensuráveis palavras não ditas...
Te digo.
Em resumo.
Tô aqui.
Tô transbordando você.
Tu fez florescer onde eu achei,
que mais nada seria capaz de brotar.
Minhas palavras, não ditas.
Dizem mais do que tu possa imaginar.




Dedo de prosa: Vem cá

abril 07, 2017
 :


Vem cá.
Senta aqui do lado. 
Me deixa te falar...
Que sempre fui meio assim.
Não sei.
Do tipo,
deixa pra lá.

Mas isso, não quer dizer que deixei.
De sentir
Querer
Desejar
e ter.

Vem cá,
Me deixa te mostrar
que onde parece ser pedra,
na verdade é flor.
Não a rosa mais linda do jardim,
mas de um mistério sem fim.
Flor com espinhos, 
talvez de cacto.
Que parece estranha, 
mas tem seu valor.

Me deixa transbordar.
Do meu jeito.
Calma.
Simples.
E devagar.
Sou demais no sentir
Porém de menos em mostrar.
Gosto das entrelinhas,
Do conquistar.
Tenta se acostumar.
Me ensine a te ganhar.

Vem cá,
‘Me pega
de prosa
Me tira
da fossa’
Me ajuda a amar. 


O enxergar através do Plano Detalhe

abril 06, 2017
Pinterest: Rafaela Abreu ♡:

Para ler ouvindo: Em Paz - 5 a Seco e Maria Gadu.

Em uma das minhas aulas da faculdade, eu aprendi um pouco mais sobre enquadramento, posições e ângulos da linguagem cinematográfica. Lembro-me de como fiquei encantada e interessada, principalmente, pela forma em que a escolha de um certo enquadramento pode vir a mudar ou dar diferentes sentidos e significados em uma cena.

O chamado plano geral (PG) é normalmente o mais usado por inciantes. Claro, por ser o mais simples. Prático. Porém, o plano que sempre me interessou e me deixou instigada é o detalhe, ou PD. Em uma cena, por exemplo, um livro com uma página especifica aberta ou uma simples mordida de lábio podem ser sinais para todo o resto da construção de uma história. Talvez aquela página aberta, mostrada em detalhe, seja sinal para desvendar um mistério. E aquela mordida de lábios sutil, seja a forma da "mocinha" se entregar ao seu amor. Se não fosse esses detalhes, muitas vezes imperceptíveis, no plano geral, a história não seria construída da forma desejada. E tudo ficaria por isso mesmo. Sem sentido.

Você deve estar se perguntando. Por que ela está escrevendo sobre enquadramentos, planos e cenas? Por que não deixar esses assuntos apenas para as produções cinematográficas? Porque a vida é um filme. O nosso filme.
Enquadrar não é algo referente somente a linguagem cinematográfica. Fazemos isso com a vida. Escolhemos planos e ângulos para enxergar e perceber o mundo. As coisas. As pessoas. 
A maioria cria sua percepção através, apenas, do plano geral. Eu não. Tento perceber tudo pelos detalhes. Detalhes fazem toda a diferença. 

Imagina a seguinte cena. Um rapaz, em uma festa. Muitas mulheres, nessa mesma festa. Olhando através do plano geral, ele enxergará essas mulheres. Altas, baixas, bonitas, alegres... mas de algum, ele as verá de forma comum. Apenas mulheres em uma festa. Porém, se ele perceber a mesma festa através dos detalhes. Ele vai conseguir perceber a mulher que está ali por estar, a que prefere comer ao se relacionar e aquela que está no canto, quieta, observando-o de forma sutil. E no momento que a olhou, pelo detalhe, percebeu o sorriso lateral mais lindo que já viu, antes interceptável em plano geral. Percebendo ali, que aquela poderia ser "A Mulher". 

Como disse, o mundo é construído nos detalhes. 
Um casal pode transparecer completa felicidade, amor e carinho, no geral. E no detalhe... estarem infelizes. Uma pessoa pode parecer distante, fria e ate um pouco sem sal. Mas se você conseguir olhar os detalhes, pode enxergar a imensidão de sentimentos existentes e guardados nela. 
Ter uma visão geral do mundo. Das coisas. E principalmente das pessoas é importante. Mas os detalhes....
Ah, os detalhes...


Vamos?

abril 03, 2017
|| Pinterest: Isabarvalho || não autoral:
Pinterest
  

Tenho apenas 20 anos, mas já reconheço os lados bons e ruins do amor. Ao longo de minha formação aprendi a identificar os homens o que são bons, ruins, belos, feios, os que têm muito mais que um simples sorriso e os que apenas tem o sorriso. Aprendi a jogar o jogo deles e por diversas vezes tentei ser um. Não que eu queria pegar mulheres ou coisas do tipo, mas queria ter a facilidade de esquecer, como eles, na maioria das vezes, esquecem. Ou fingem esquecer. Me lembro perfeitamente do meu primeiro amor. Ele era legal, me compreendia, porém não entendia. Lembro-me do meu primeiro namorado. Ele era perfeito, compreensivo, amoroso, educado, tudo que uma mulher sonha. Mas não me completava. O meu segundo namorado era bom, mas mentia e isso, com o tempo, o tornou ruim. Conheci e convivo com muitos homens em minha vida. Tanto como ficantes ou como minha avó diz... paqueras, como amigos. Aprendi a lidar com cada um deles, mas não aprendi a lidar com você. Existia um eu antes de você e agora existe um eu depois de você. Um pouco surreal e dramático o que vou dizer mas acho que você é o cara. Porque ouvi dizer que a pessoa certa para você é aquela que te confunde e que te faz melhorar. E você faz isso comigo.
Um dia uma pessoa me questionou: “Paixão poderia virar amor, e o amor poderia virar paixão? Eu logo me peguei pensando em você. A partir daí comecei a entender o sentindo. Penso que por mais que ache difícil e que eu queria desistir de tudo, me jogar nos braços do primeiro estranho que encontrar.... Eu não consigo. Talvez até consiga, mas agora. Não quero. Sinto que você é o cara da minha vida e essa incerteza caminha lado a lado comigo todos os dias, desde aquele que te conheci. Eu só queria que você facilitasse as coisas para nós. Existe um mundo muito maior e bonito do que esse que você vê. A vida sozinha é boa, mas a compartilhada é melhor ainda. Ninguém nasceu para ser sozinho. Quero ser sua parceira, amiga, confidente, amante, namorada e tudo que puder.
Só não tenha tanto medo, eu te peço. Ele nos atrapalhou no início, mas eu ainda estou aqui. Estou desde o primeiro momento em que nossos olhos se cruzaram, em meio à confusão daquele sábado à noite. Me deixa segurar sua mão, acariciar teus cabelos e beijar teus lábios. Tenta compreender que podemos dar certo e ser completos um para o outro. Porque o amor é assim, ele confunde, ele nos faz pensar loucuras. Parece ser algo de outro mundo, algo complicado. Mas o amor é simples. O problema são as pessoas que o complica. Pega na minha mão e mergulha comigo nessa imensidão. Sem medo e sem complicação. Vamos ser simples, deixar o que deu errado de lado e fazer dar certo. Como já disse, ser completos um para o outro.
Não quero a sua metade para combinar com a minha. Quero que meu inteiro complete o seu. Quero sussurrar, no pé do seu ouvido. “Deita. Aqui. Deixa. Eu. Cuidar. De você. De mim. De nós”. Bem assim, pausadamente, para que dessa vez, sem confusões, sem outras pessoas e situações, você entenda que eu sempre te quis. Mesmo quando antes evitava querer e demonstrar. Mesmo quando evitava a troca de olhares para não entregar o que carregava no meu interior. Ah rapaz.... Vou confessar uma coisa. Não sei o que estou falando mas sei o que sinto é muito mais forte do que um simples momento de um sábado à noite. Acho que podemos ser bem mais do que somente eu e você. Podemos ser nós. Vamos?


Esse texto foi escrito em parceria com uma grande amiga (mala), a @Madu. Juntas escrevemos ele, e transmitimos nele o que sentimos. 
Beijos, meus e dela.